Sunday Drops ūüĆä #3

Monalisa, deep learning, investimentos sustent√°veis, etc, etc, etc

Bom dia!

Durante a semana, escrevi um artigo sobre o grande problema do Brasil.

Vamos l√° com o sunday drops do doming√£o. Na newsletter dessa semana, temos:
- 3 artigos, 2 aprendizados e 1 foto da semana

Artigos

Clubhouse

Que aplicativo inusitado. Quando voc√™ entra na plataforma, simplesmente h√° m√ļltiplos f√≥runs de discuss√£o sobre t√≥picos como tecnologia, medita√ß√£o, hip-hop, esportes. Participantes desses f√≥runs v√£o de Marc Andressen a 21 Savage ūü§£.

Para muitos, Clubhouse √© a rede social mais interessante que surgiu na √ļltima d√©cada. A startup entrega uma experi√™ncia completamente diferente de consumo de conte√ļdo e tamb√©m abre espa√ßo para novas formas de engajamento entre comunidades. Para conhecer mais sobre todo o hype em torno da startup, recomendo ler:

ou

Apesar do aplicativo ainda não estar aberto a qualquer pessoa, já está nascendo uma cena brasileira. Por exemplo, Flavio Pripas, MD da Redpoint, agendou três salas de conversas semanais com pautas relacionadas ao ecossistema tech.

Para entrar no aplicativo, é preciso ser convidado por alguém que está no Clubhouse. Tenho alguns convites disponíveis e queria fazer esse giveback para vocês que estão me apoiando na newsletter hehe. Se você tiver interesse, se inscreve nesse link que te mando o invite.

Venture Capital reencontra investimentos em energias renov√°veis

Uma das belezas do mercado de VC √© que ele financia revolu√ß√Ķes da sociedade. Exemplos? Apple, SpaceX, Google, Airbnb, Uber, Nubank, etc,etc,etc.

Mas h√° um segmento que deveria ser uma das maiores prioridades da sociedade no qual a ind√ļstria do Venture Capital tem falhado historicamente: Investimento em solu√ß√Ķes sustent√°veis no que se refere a natureza e redu√ß√£o dos efeitos clim√°ticos.

O artigo da The Economist, Climate-conscious venture capitalists are back, explora as raz√Ķes pelo baixo volume de investimentos durante a √ļltima d√©cada e nos fornece uma esperan√ßa para o futuro dado que v√°rios fundos est√£o enxergando oportunidades nesse segmento. O mercado de investimentos de VC em energias renov√°veis em 2019 foi de US$36b, sendo que em 2015 o volume foi de US$17b, o que j√° exp√Ķe tend√™ncias de evolu√ß√£o do setor.

PS: Como sei que a The Economist tem acesso limitado, tamb√©m criei uma p√°gina p√ļblica no notion com o pdf da noticia para quem tiver interesse e n√£o conseguir acessar via o site do jornal.

Eu assumi que sou abaixo da média

O pequeno artigo " I assume I'm bellow average" mexeu comigo. A real é que a maior parte das pessoas (inclusive eu) tem a percepção otimista sobre suas habilidades, atitudes em relação a média. A verdade é que isso tende a ser uma distopia e para minha vida no momento, prefiro assumir que sou abaixo da média pois eu estarei provavelmente correto e mentalmente abrirei maior espaço para dedicação.


Coisas mais legais que aprendi durante a semana

#1 Por que a Monalisa é o principal quadro do mundo?

Dificilmente há um quadro mais popular que a Monalisa de Da Vinci. Seu valor de mercado é inestimável e durante essa semana, descobri que a principal razão pela sua fama não decorre apenas do sorriso enigmático ou do fundo do quadro que parece estar se movendo. Um dos motivos da sua valorização ser tão grande foi a grande comoção após o roubo da obra no Louvre em 1911. Ou seja, grande parte do valor atribuído é mais derivada da "sorte" do que da "habildiade".

Essa aprendizado surgiu ao assistir uma palestra de Michael Mauboussin, que tem um livro fantástico sobre skill x luck. A parte da Monalisa começa no minuto 22:47.

#2 A revolução do Deep Learning

Olha esse gr√°fico do relat√≥rio da Ark Invest, que exp√Ķe a mudan√ßa na forma como os c√≥digos s√£o gerados:

O Deep Learning se apropria de dados para gerar inteligência de forma automática (é uma subcategoria do Machine Learning). Com a evolução dessa tecnologia, empresas estão se apropriando para gerar mais valor para o cliente final e as próxima geração de plataformas tende a ter algoritimos de deep learning como uma das fortalezas (olha o tik-tok na imagem abaixo):


Foto da semana

Estou lendo um livro chamado M√©tropole a Beira Mar, de Ruy Castro, sobre o Rio de Janeiro moderno dos anos 20. Nele, h√° uma parte que contextualiza a revolta dos 18 do forte ocorrida em Copacabana em 1922, no qual um grupo de militares revoltos com a postura do governo entrou em confronto com uma tropa de menos de 18 pessoas contra todo um ex√©rcito. As principais reivindica√ß√Ķes do grupo eram em conflito com poder olig√°rquico tradicional, que se sustentava principalmente a partir de S√£o Paulo e Minas Gerais. Dentre as exig√™ncias, estavam a institui√ß√£o do voto secreto ‚ÄĒ para acabar com o voto de cabresto ‚ÄĒ e a reforma na educa√ß√£o brasileira.

A foto abaixo, tirada por Zen√≥bio Rodrigo de Couto, mostra um dos momentos de bravura desses rebeli√Ķes no qual as cren√ßas se sobrepuseram at√© mesmo a vida. Para os governantes, a rebeli√£o foi antipatri√≥tica. Para os comunistas, foi uma rebeli√£o burguesa. Para mim, ao ler essa hist√≥ria, se tornou um dos momentos de maior bravura que tenho refer√™ncia.

Um ótimo domingo e uma boa semana,

Lucas

Share